O segmento Healthcare cresceu muito nos últimos anos em todo o mundo. O Brasil vem se destacando pelos esforços no segmento, apesar de estarmos um pouco atrasados.
Neste post vou mostrar um pouco sobre o que observei no Healthcare Innovation Show, evento que ocorreu em São Paulo.

Se você também esteve no evento e gostaria de acrescentar algo, não deixe de incluir nos comentários!

A palavra de ordem é reduzir os custos e aumentar a eficiência nos processos, sem tirar o foco no cliente.

Um desafio e tanto para as empresas do setor de saúde no Brasil.
Com base nesta premissa muitas soluções estão aparecendo na tentativa de mitigar boa parte dos gargalos que enfrentamos no dia a dia, desde a gestão até o atendimento.

Dados, dados e mais dados.
A mineração de dados é uma poderosa ferramenta para o setor de saúde e bem-estar no Brasil. Algumas empresas já disponibilizam serviços que coletam os dados e ajudam as empresas a enxergar o melhor cenário atual e “prever” o futuro.

A saúde preventiva tem ganhado espaço com estes novos recursos.
Dados dos pacientes são coletados e através de algoritmos apontam possíveis doenças ou complicações na saúde. Com estas informações, os planos de saúde, governo ou as empresas podem atuar na prevenção com atividades, dicas ou o acompanhamento de perto deste paciente.

Leia também >>> A MAIS NOVA PLATAFORMA DE CONTATO COM SUA CLÍNICA – ASSISTENTE VIRTUAL <<<

Contato 1 a 1.
Algumas ferramentas já estão sendo utilizadas para trabalhar toda a jornada do consumidor e oferecer experiências reais de saúde para o paciente, onde ele estiver, quando ele desejar, de maneira bem simples e próxima: no smartphone.

Imagine que uma pessoa buscou na internet por um cardiologista. Iniciou a busca pelo Google e encontrou o site de um consultório. Ao entrar no site, o paciente agenda a consulta e preenche uma pequena ficha, com perguntas básicas sobre a saúde e o motivo da consulta.
Uma foto da carteirinha do plano de saúde pode ser anexada e enviada sem nenhuma complicação, tudo pelo celular.

No dia da consulta a recepcionista da clínica recebe um aviso. Ao chegar no estacionamento, a recepcionista recebe a informação de que o paciente já está nas proximidades através de um beacon, uma tecnologia de localização. A ficha deste paciente já aparece na tela, para confirmação das informações.

No consultório, o médico visualiza o formulário preenchido e inicia a anamnese. As informações serão confirmadas e as novidades são anotadas no iPad, em um prontuário digital.
Todo o histórico do paciente é mantido pelo consultório para as próximas consultas. As informações poderão ser compartilhadas com demais especialistas, quando necessário.

Os profissionais que trabalham nesta solução defendem que a eliminação de papel e automação de alguns processos agiliza a anamnese, com o tempo todo voltado para o paciente eliminando assim o preenchimento das intermináveis fichas.

Empresas de tecnologia têm utilizado plataforma de CRM (customer relation manager) na nuvem, como a Salesforce e inteligência artificial para interações com o paciente. Uma maneira de conhecer melhor o paciente e manter as informações atualizadas.

Além do prontuário.
O exemplo acima já é realidade em alguns hospitais de São Paulo.
Um outro modelo de comunicação está sendo testado através de aplicativos.
O médico prescreve algumas ações para o paciente e informações relacionadas a essa prescrição são elaboradas e entregues ao paciente. Por exemplo: um paciente que está acima do peso ideal, após a consulta com o médico poderá receber informações sobre saúde e qualidade de vida com dicas sobre exercícios e hábitos saudáveis para controle do peso.

Se o paciente quiser conectar o seu smartwatch ou pulseira inteligente e enviar as informações sobre exercícios, sono e batimentos cardíacos para o médico, também é possível.

Isso cria um relacionamento contínuo com o paciente.
Não é apenas chamar pelo nome, mas entender e oferecer ferramentas para manter o contato muito mais próximo entre médico e paciente.

Através do celular, médico e paciente conseguem manter a comunicação eficiente.

Aplicativos para a saúde.
As empresas que pensam na qualidade de saúde dos seus funcionários com certeza colhem bons frutos, como algumas pesquisam revelam. Um funcionário saudável produz mais, é mais feliz e não falta ao trabalho. Pensando nisso, algumas empresas têm desenvolvido ferramentas para oferecer qualidade de vida para os funcionários com séries de exercícios e consultoria profissional personalizada.

A diferença é que agora o celular é um grande aliado nessa causa.

Através de ferramentas de gamification (elementos de jogos como pontuação, medalhas e ranking) as atividades se tornam muito mais prazerosas.
Na consultoria de saúde, metas são desenvolvidas para os funcionários com base nos seus objetivos – perder peso, ter mais disposição, controlar a alimentação, aliviar o stress, praticar esportes entre outros.

O funcionário acompanha a evolução pelo celular.
Os resultados são avaliados constantemente e a empresa pode contribuir com soluções pontuais para que estes objetivos sejam alcançados.

Muitas oportunidades estão surgindo com a evolução da tecnologia. Como vimos acima, a internet das coisas – IoT, o uso e mineração de dados e inteligência artificial para tomada de decisão e o foco na experiência do consumidor estão revolucionando como a relação médico – paciente se desenvolvem.
Por conta disso é preciso construir uma comunicação eficiente, simples e que gere valor para o paciente.

E o que você tem observado de avanço no setor de healthcare brasileiro?