Uma marca, seja ela pessoal ou corporativa, precisa se manter presente na vida das pessoas. Em meio à tantos estímulos que o ser humano recebe no dia a dia, esta tarefa se torna ainda mais desafiadora.

É comum alguns médicos se perguntarem se vale a pena investir no marketing pessoal ou da clínica. Alguns atributos que eram exclusivas das pessoas têm se tornado frequentes nas empresas.

A busca pela “humanização” das marcas, têm gerado novas oportunidades de comunicação, principalmente nas redes sociais.

Porém alguns pontos podem definir se para você o ideal seria realizar ações de comunicação focados na clínica ou no pessoal. Separamos abaixo alguns pontos sugestivos (e não definitivos), que podem variar de acordo com a proposta de cada profissional ou empresa.

 

Quando divulgar como médico?

1. Quando a clínica leva o nome do médico.

Muitas clínicas levam o nome de quem a fundou. Nestes casos, pode-se trabalhar tanto o marketing pessoal (médico) como o da empresa como um todo.

2. Quando os valores da clínica ou consultório refletem a visão pessoal do médico / CEO.

Alguns médicos fundadores, além de estabelecer a visão, estabelecem a cultura da empresa. A imagem pessoal, suas características refletem em todos os ambientes da clínica.

Neste caso, pode ser interessante trabalhar a imagem do médico, que transmite credibilidade e inspira toda a operação da clínica ou consultório.

 

3. Quando este atua em diversas clínicas/hospitais.

A jornada do médico pode variar bastante: envolver a realização de cirurgias, atendimento clínico, e muitas vezes em  diferentes instituições (público ou privadas). Nestes casos, o médico transita por diferentes ambientes e pode aproveitar para trabalhar o marketing pessoal, sem estar “preso” a um única instituição.

 

4. Quando ele pretende abrir a sua própria clínica no futuro.

Médicos empreendedores têm visão de negócio e desejam não apenas exercer a medicina mas ampliar os serviços e competir no mercado. Para estes médicos, que pretendem empreender futuramente, vale a pena investir no marketing pessoal. Estabelecendo-se como uma marca forte, poderá transmitir essa visão no novo empreendimento.

Leia DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O MARKETING MÉDICO EM 2018

5. Quando deseja aprofundar e explorar a vida pessoal.

Lifestyle é um dos termos mais utilizados por diferentes seguimentos nas redes sociais – o Instagram que o diga. Se você é do tipo de pessoa que gosta de explorar lugares diferentes, registrar experiências e compartilhar sua vida pessoal nas redes sociais, com certeza deve trabalhar a marca pessoal.

Uma boa estratégia de comunicação exige planejamento e dedicação. Seja para uma empresa ou para uma pessoa.

 

Quando devo divulgar a clínica?

1. Quando trabalha com diversos profissionais com especializações diferentes.

Diferentes profissionais com especializações complementares reforçam a marca da instituição pois traz opções e passa credibilidade de um local bem estruturado para atender aos pacientes.

 

2. Quando a visão reflete um posicionamento de um grupo.

Muitas clínicas são criadas a partir da união de médicos e profissionais de outros segmentos. Como grupo, a sua marca se torna forte e pode entregar valor nas esferas pré-estabelecidas pelos administradores e fundadores da clínica.

Nesse caso, deixa de ser exclusiva de um médico e passa a ser um grupo que possui uma visão comum. É claro que algumas adotam a visão de um dos médicos como um norte, até para desenvolver sua proposta de valor, mas por trás têm o interesse de um grupo.

 

3. Quando preciso me relacionar com diferentes stakeholders.

Engana-se que uma clínica se relaciona apenas com os pacientes. A lista de stakeholders pode variar de acordo com o tamanho e estágio da clínica. Alguns stakeholders (ou públicos) são investidores, pacientes, funcionários, governo, fornecedores, instituições financeiras, comunidade, entre outras.

Se você precisa se relacionar com alguns destes stakeholders, faz sentido manter uma marca forte para a clínica, o que gera solidez e seriedade.

 

4. A imagem pessoal pode conflitar com interesses corporativos (crenças, política, visão de mundo etc…).

Nesse caso, melhor manter um perfil separado. Diferença de opinião nas redes sociais geralmente acabam em discussões calorosas e ásperas (e os internautas não medem esforços para isso).
O médico/administrador que tem uma visão diferente não deve usar o perfil da clínica para se expressar. Mantenha o perfil da clínica fora desse tipo de atrito – a sua marca agradece.

 

Tanto para empresa quanto para pessoas.

Kotler, em seu livro Marketing 4.0 defende que as marcas no ambiente digital devem se conectar não com consumidores, mas com seres humanos. Isso implica em observar valores, crenças, atitudes, cultura e outros atributos que o caracterizam como indivíduo.

Os 5 A’s defendidos por Kotler ilustram as fases de relacionamento das pessoas com uma marca:

Aware (Atenção): quando a marca passa a ser conhecida pelo consumidor.
Appeal (Apelo): quando o consumidor percebe um valor na marca.
Ask (Pergunta/Aconselhamento): quando o consumidor consulta opiniões e conselhos.
Act (Ação): quando o consumidor efetua a compra.
Advocate (Advogar): quando o consumidor se torna um defensor da marca.

Portanto, independentemente se você trabalhará a sua marca pessoal ou da sua clínica, pense em como ela se relaciona em cada estágio. Uma estratégia de comunicação bem elaborada e que possa entregar valor em cada uma destas etapas com certeza tornará um diferencial e se destacará na mente das pessoas.

E você, como têm trabalhado a sua marca?